O Dom Supremo - Parte 2




Texto Base: I Coríntios 13:1-11
Introdução: Jesus na oração conhecida como sacerdotal, pediu ao pai que fôssemos um como Ele e o Pai são. O desejo de Jesus é que seu povo caminhe unido. A unidade é uma aliança de amor, porque ninguém, seja na igreja, na família, nas relações profissionais, de amizade, consegue conviver por muito tempo debaixo de jugo de obrigação, tirania, opressão. Todo relacionamento duradouro é estabelecido em bases de amor.
A grande questão é: o que é amor? Permissividade, omissão, fingimento?
A cada dia a palavra amor vem se distanciando do que ela realmente representa, por isso é preciso maturidade para compreender e principalmente viver o amor. Ele não se manifesta na imaturidade, só os maduros sabem amar. Paulo deixa isso muito claro no versículo 13 onde em outras palavras diz que quando amadureceu, deixou de ser egocêntrico, que é uma caraterística de menino, deixou de pensar somente em si e aprendeu a compartilhar, abriu mão de seus próprios interesses e em amor se abriu para viver em unidade.
É necessário maturidade para caminhar em unidade, e essa maturidade se manifesta na linguagem, no pensamento e na maneira de agir.
Deus quer que vivamos em unidade, mas para isso precisamos amadurecer.
1- Precisamos ter linguagem madura.
Os maduros, sabem controlar suas emoções, falam com brandura quando a ocasião exige, mas quando necessário, sabem se expressar asperamente.
A bíblia fala sobre palavra branda, mas fala também sobre repreensão. A ocasião, o momento, determina o tom, mas seja na brandura ou dureza, o amor deve prevalecer.
Muita gente não compreende que o amor se revela na verdade. Esse tipo de pessoa vive na ilusão da vida.
2- Precisamos ter atitudes maduras
O amor é manifesto nos pequenos gestos. Uma das atitudes que fortalece a unidade de amor é o respeito a individualidade.
Numa igreja, assim como em uma casa ninguém é igual a ninguém, todos tem a sua individualidade, são únicos, e precisam ser respeitados como são.
3- Precisamos ter pensamentos maduros.
O pensamento de quem está envolvido em uma aliança de amor não pode ser individualista, tem que zelar pelo coletivo, pelo bem comum
Meus projetos e sonhos precisam vislumbrar minha família, a equipe de doze na qual estou inserido, a célula, minha igreja, minha cidade, minha nação.
Conclusão: Não vale podemos apenas falar de amor, temos que viver, fazer dele uma prática. I João 4:7- “Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus”.

Compartilhar: