Santidade é coisa séria

Texto Base: Daniel 6:25-27

Introdução: Precisamos tomar decisão de sermos santos, espirituais, caso contrário, seremos derrotados pelo inimigo. A coisa exige seriedade, você está na mira do diabo, ele te odeia e quer te matar. Jesus advertiu os seus discípulos deixando claro que essa é a função do inimigo: “matar, roubar destruir” (Jo 10:10).

A velha máxima precisa ser relembrada “o crente pode brincar de ser crente, mas o diabo não brinca de ser diabo”.  Não é novidade que sua intenção é tirar a vida de líderes sejam eles pais de família, lideres de célula, líderes de geração líderes de ministérios, pastores ou apóstolos.

Nos tempos de Daniel e dos seus companheiros, ele tentou tirar a vida deles e só não conseguiu por que eles viviam em santidade, e utilizavam as duas armas espirituais que garantem vitória o jejum e a oração.

1) No primeiro caso:  Hananias, Mizael e Azarias, foram lançados no fogo porque não se curvaram a idolatria.

No capítulo 3 do livro do profeta Daniel está escrito que o rei Nabucodonozor mandou construir uma grande estátua sua, frente a qual todos os moradores da Babilônia deveriam se prostrar e adorar (Leia todo o capítulo com sua célula). Seu principal objetivo era unir seu reino em torno de uma única entidade espiritual.

Após o soar dos instrumentos, todos deveriam se prostrar e adorar a estátua. Os desobedientes receberiam um terrível castigo, seriam lançados numa fornalha acesa em uma altíssima temperatura. 

Os instrumentos tocaram e três servos de Deus contrariaram o desejo rei, mas satisfazendo a vontade do Rei dos reis, não se prostraram frente ao ídolo levantado na Babilônia.

Diante de tanta gente, a atitude destes três homens, até que poderia passar despercebida, se não fosse os astrólogos, os bruxos da época, que possuíam cargos altíssimos no reino. Aqueles homens dominados pelo espírito de acusação, foram até Nabucodonozor e denunciaram os servos de Deus.

Indignado o rei ordenou que os instrumentos tocassem novamente, para que os servos de Deus se curvassem frente ao ídolo, mas os três servos de Deus manifestando, fé e coragem responderam ao rei: “16 - ...Não necessitamos de te responder sobre este negócio.
17 - Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos pode livrar; ele nos livrará da fornalha de fogo ardente, e da tua mão, ó rei.
18 - E, se não, fica sabendo ó rei, que não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste.
19 - Então Nabucodonosor se encheu de furor, e mudou-se o aspecto do seu semblante contra Sadraque, Mesaque e Abednego; falou, e ordenou que a fornalha se aquecesse sete vezes mais do que se costumava aquecer.” (Daniel 3:16-19)

Aqueles três companheiros foram literalmente jogados no fogo, mas por causa da vida de santidade, o próprio Deus entrou na fornalha e neutralizou o poder do fogo e da morte.

Você sabe que todos os dias somos tentados a abrir mão de nossas convicções de fé, mas precisamos nos manter firmes e decididos. Não podemos ceder aos apelos da carne, das circunstancias, da conveniência. 

Quem se curva aos ídolos deste mundo, quem preferem agradar a Nabucodonozor jamais verá o favor de Deus.

Hananias, Mizael e Azarias passaram pelo fogo e não morreram porque não abriram mão santidade.


Que isso fique bem claro: viver em santidade, jejuar, orar, não é opção, é necessidade básica de sobrevivência. Quem despreza a santidade, o jejum e a oração corre um serio risco de morte.

Conclusão: Assim como nos tempos de Hananias, Mizael e Azarias, as estátuas, os ídolos desse mundo exigem a nossa adoração, mas devemos permanecer firmes, na escolha de adorar somente ao único vivo Deus.

Observação: Essa semana tem a confraternização da rede de mulheres e no próximo sábado dia 24/12 vamos iniciar a nossa Festa de Hannukah. Serão 8 dias de festa, 8 dias de milagres!  

Compartilhar: