As terríveis consequências do pecado


Texto Base: Romanos 6:14-19
Introdução: Um dia todos nós estávamos debaixo da escravidão do pecado, mas através do sacrifício de Jesus na cruz e da nossa decisão de aceitar esse ato de amor, fomos libertos e isso é motivo de celebração, de júbilo. Esses fatos, no entanto, não sinalizam que estamos imunes ao pecado, que jamais cairemos, que podemos cruzar os braços, pelo contrario, a batalha continua e deve ser travada diariamente. Muitos por completo descuido, por terem baixado a guarda, infelizmente foram vencidos.
Vigiar e orar para não cair em tentação, essa é a recomendação do Eterno. Precisamos assumir a nossa identidade de santo e permanecer na luta contra o pecado, até porque as consequências do pecado são terríveis.
Quem insiste na prática do pecado está em perigo, pois o pecado produz muitos males entre eles podemos citar que:
1) O pecado produz: tormento e destruição
Um dos pecados mais comuns em nossos dias é o rancor (Mágoa profunda, ocasionada por uma ofensa recebida). Muitos corações estão contaminados com esse pecado que abre a porta para a entrada dos demônios atormentadores.
Jesus contou uma parábola que ilustra muito bem essa realidade. Ele falou sobre um rei que perdoou uma grande dívida de um servo. Porém, mais tarde esse mesmo servo não soube perdoar a dívida de um conservo. Foi cruel a tal ponto de colocá-lo na prisão. Ao tomar conhecimento do fato, o rei disse: "Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste; não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, assim como eu tive compaixão de ti?" (Mt 18:32-33)
Essa pergunta precisa ecoar em nossos corações diariamente: não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, assim como eu tive compaixão de ti?
Fomos alcançados pela graça de Deus, ele nos perdoou de uma dívida altíssima. Ele nos deu um perdão que não merecíamos. Ora, se recebemos tanta compaixão porque insistimos em condenar os nossos devedores? Porque mantemos nosso coração manchado pelo pecado do rancor?
Precisamos limpar o nosso coração desse pecado terrível porque quem não perdoa vive mal, não tem paz, tem um coração amargurado e preso, não se relaciona bem consigo mesmo nem com os outros, a enfermidade e a solidão são sua companhia. 
Nessa parábola contada por Jesus no evangelho de Mateus o credor incompassível, foi entregue nas mãos dos atormentadores, diz o texto: “E, indignado, o seu senhor o entregou aos atormentadores, até que pagasse tudo o que devia”.  (Mateus 18.34) Não queria cair nas mãos dos atormentadores, decida hoje mesmo perdoar a todos os que te devem.
Outro pecado bem grave e que muitas vezes encontramos em nosso meio é a murmuração.
O que é murmuração? O dicionário traduz essa palavra como ato ou efeito de murmurar e também como rumor infundado; boato, falatório.  Paulo aconselhou os coríntios: “Nem murmureis, como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo exterminador.” (1 Co 10.10).
Em nossos dias com o surgimento das redes sociais, todo mundo quer manifestar a sua “opinião” e nesse embalo a murmuração ganha espaço e força.
Temos que aprender a controlar nossa língua, pois esse pequeno membro tem o poder de abençoar e amaldiçoar. Se é pra abençoar, emita suas considerações, se expresse a vontade, mas se vai falar mal de quem quer que seja, é melhor ficar calado.
Há pessoas que são tão escravas desse pecado que pasmem conseguem falar mal dos seus filhos, pais, irmãos, esposo, esposa, pastor, apostolo e até mesmo de Deus.
Cuidado por que a murmuração atrai o exterminador.

Compartilhar: